Últimas Notícias

Como será o futuro do controle de pragas e quais são os principais fatores que o influenciam

Foto de capa da notícia

Como será o controle de pragas do futuro é uma questão local e global, afetando residências, empresas e comunidades, e também afetando a população global e o comércio global. Embora a pandemia tenha tornado as pessoas mais conscientes das questões globais, ainda há uma série de problemas “tradicionais” que o setor de controle de pragas enfrenta quando olhamos para frente.

As pragas são abominadas principalmente porque são vetores transmissores de doenças. As doenças transmitidas por vetores são responsáveis ??por cerca de 17% de todas as doenças infecciosas, causando mais de 700.000 mortes e mais de 700 milhões de infecções todos os anos. À medida que os humanos invadem áreas selvagens, estamos inadvertidamente selecionando novas pragas e patógenos que podem se adaptar ao ambiente humano e nos causar mais danos.

A urbanização do planeta e o avanço contínuo da industrialização estão criando uma sociedade global que depende de equilíbrios finos para operar com sucesso e sobreviver. Um vírus microscópico que se acredita ter se originado em morcegos selvagens e levado para o mercado de carne fresca perturbou a economia global e a vida das pessoas por mais de um ano.

No entanto, as doenças não são a única ameaça do avanço da urbanização. A invasão da terra também ameaça os sistemas globais de abastecimento de alimentos, tornando-os menos resilientes e sustentáveis. Cerca de 14% dos suprimentos mundiais de alimentos são perdidos devido à deterioração e às pragas todos os anos. A globalização do suprimento de alimentos dá às pragas mais oportunidades de infestar e danificar os alimentos.

Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS)
A ONU propôs uma década de ação para atingir os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) até 2030. Exortou todos os setores da sociedade a se mobilizarem para garantir que haja recursos adequados, soluções mais inteligentes, marcos regulatórios e compromissos por parte dos governos , instituições, setor privado e outras partes interessadas. Cada empresa tem um papel a cumprir para garantir que as metas sejam cumpridas.

Os itens a seguir são de relevância particular para o futuro do controle de pragas.
- ODS 12: consumo e produção responsáveis. Isso inclui o objetivo de reduzir pela metade o desperdício global de alimentos per capita nos níveis de varejo e consumo, ao longo das cadeias de abastecimento e inclui perdas de produção e pós-colheita. Mesmo em países desenvolvidos, há perdas significativas e o controle de pragas tem um papel importante a desempenhar. A redução das perdas de alimentos também influencia outros objetivos, como pobreza (ODS1), fome (ODS2) e clima (ODS13), onde a perda e o desperdício de alimentos geram 8% das emissões globais de gases de efeito estufa.
- ODS 3: boa saúde e bem-estar. Muitas pragas têm um efeito direto na saúde e no bem-estar porque transmitem doenças e afetam a qualidade de vida das pessoas ao picar, contaminar os alimentos, danificar os estoques e edifícios de alimentos e incomodar a sua presença.
- ODS 11: cidades e comunidades sustentáveis. As áreas urbanas fornecem um refúgio para muitos tipos de pragas – de roedores a mosquitos, percevejos, pulgas e outros insetos que picam – especialmente áreas densamente povoadas e subdesenvolvidas com sistemas de saneamento e coleta de lixo deficientes.
- ODS 15: vida na terra e ODS 14: vida abaixo da água. Proteger os ecossistemas terrestres e aquáticos inclui evitar o uso de produtos químicos tóxicos sempre que possível, prevenindo a poluição ambiental, prevenindo o envenenamento de espécies que não são consideradas pragas, através da gestão de resíduos e implementando uma política de sustentabilidade em toda a empresa para proteger os ecossistemas globais ao longo prazo.

Embora o foco do mundo esteja na pandemia COVID-19, os mosquitos continuam infectando pessoas ao redor do globo. Os mosquitos são a praga mais disseminada e são responsáveis ??por mais doenças e mortes do que qualquer outro vetor. Eles têm um impacto significativo no desenvolvimento econômico de muitos países. Os bloqueios da COVID interromperam os programas de erradicação de doenças transmitidas por mosquitos, especialmente a malária, e atrasaram em anos os ganhos anteriores. A OMS apelou aos países e parceiros globais para aumentar os esforços para erradicar a malária e para direcionar melhor as intervenções, novas ferramentas e maior financiamento.

Mudanças climáticas
As mudanças climáticas estão tendo um impacto lento e contínuo, sobre as pragas que vivem e se reproduzem principalmente ao ar livre. O aquecimento global está mudando as zonas de sobrevivência e reprodução de muitas pragas, criando novos desafios para o controle de pragas. Está permitindo que muitas pragas de insetos, especialmente, se movam de zonas tropicais e subtropicais para regiões temperadas e os insetos de zonas temperadas se movam mais ao norte.

Roedores selvagens têm temporadas de procriação mais longas e o aumento da chuva pode resultar em maiores suprimentos de alimentos e populações de roedores – como os gerbos na Ásia Central que carregam a peste. Os carrapatos estão se espalhando para o norte em muitos países. Eles podem transmitir doenças bacterianas, virais e por protozoários, como a doença de Lyme e a anaplasmose. Algumas espécies de carrapatos dependem de roedores para seu ciclo de vida, então, à medida que os roedores migram para o norte, os carrapatos também podem. Várias espécies de mosquitos Aedes, que podem transmitir doenças como dengue, Zika, chikungunya e febre amarela, estão invadindo zonas subtropicais e temperadas.

À medida que os padrões de chuva mudam, os períodos e áreas de reprodução também mudam. Isso pode ajudar a erradicar os mosquitos em áreas mais secas e agravar o problema ou introduzi-los em outras.

Sustentabilidade
De um ponto de vista pragmático, as empresas podem implementar uma série de medidas para melhorar a sustentabilidade, não apenas para atingir os ODS, mas porque faz sentido para os negócios no longo prazo. O mundo está alcançando rapidamente um ponto crítico para o clima, ecossistemas, sistemas de produção de alimentos e recursos, o que exige uma mudança radical no pensamento sobre políticas e práticas de negócios.

As empresas podem introduzir práticas sustentáveis ??em todas as suas operações, incluindo:
- transporte de baixa ou zero emissão de carbono,
- reduzindo o uso de energia e aumentando o uso de energia renovável,
- reduzindo o desperdício,
- reduzindo o uso de plásticos,
- aumentando o uso de materiais renováveis, compostáveis ??e recicláveis,
- reduzindo e substituindo produtos químicos tóxicos
- usando soluções de controle de pragas atóxicas sempre que possível, investindo em pesquisa e desenvolvimento para manter as soluções de controle de pragas à frente da capacidade das pragas,
- assumir a vanguarda do futuro do controle de pragas sustentável.

Existem muitas soluções não tóxicas para o controle de pragas, como medidas de impermeabilização, tratamentos térmicos, Armadilhas luminosas LED contra insetos e tecnologia inteligente para monitoramento e controle remotos. Soluções tecnológicas que não têm sido tradicionalmente associadas ao controle de pragas incluem inteligência artificial, modelagem computacional e o amplo escopo da biotecnologia, como biopesticidas e insetos estéreis.

Legislação e resistência
Trabalhando em paralelo com os impulsionadores da sustentabilidade está a legislação para proteger a saúde humana, a vida selvagem e o meio ambiente, que tem reduzido constantemente a oferta de pesticidas usados no controle de pragas. A resistência a pragas é outro fator que vem reduzindo a eficácia dos agrotóxicos. Isso é reconhecido há mais de 100 anos e tem impulsionado pesquisas contínuas para o desenvolvimento de novos produtos antes que os problemas ambientais fossem percebidos.

Em 1976, a resistência a pesticidas foi registrada em 364 espécies de insetos e chegou a 500 no ano 2000. Cada geração de pesticidas trouxe a esperança de que a resistência poderia ser evitada, mas isso nunca aconteceu. Demora cerca de dez anos para desenvolver resistência a um novo tipo de pesticida, dependendo da espécie de praga. Às vezes, um gene que confere resistência a um pesticida pode conferir resistência a outro, como o DDT e os piretróides.

Os rodenticidas anticoagulantes de primeira e segunda geração foram há muito tempo detectados em espécies selvagens não-alvo que se alimentam de roedores – até mesmo águias americanas que foram resgatadas da beira da extinção após a exposição ao DDT. Também há consideração para os efeitos cruéis dos rodenticidas anticoagulantes em roedores. Os anticoagulantes não são uma solução sustentável para o controle de pragas. O Conselho Nacional de Pesquisa dos Estados Unidos concluiu, no entanto, que os pesticidas químicos continuarão a ter um papel no futuro previsível devido ao desenvolvimento de produtos de risco reduzido e à falta de alternativas viáveis ??para alguns usos.

O futuro do controle de pragas é a sustentabilidade
Sustentabilidade é o principal fator de mudança no futuro do controle de pragas. Ele tem uma influência direta no desenvolvimento de produtos e tecnologia usados ??para que o controle de pragas seja mais eficaz e tenha um efeito mínimo no meio ambiente. Ele tem uma influência indireta por toda a empresa que precisa ajudar a atingir as metas dos objetivos de desenvolvimento sustentável da ONU.

Esta não é apenas uma questão ética; uma legislação cada vez mais rígida e a pressão pública estão lentamente removendo a opção de soluções não sustentáveis.

A chave para o controle de pragas eficaz e sustentável serão novas soluções que evitem produtos químicos tóxicos e sejam mais espertos que as pragas, seja a inteligência individual de roedores ou a “inteligência coletiva” de populações em massa de insetos que podem evitar o controle por seleção comportamental ou genética. Somente aqueles negócios que são ágeis e inovadores terão sucesso.

Autor: Time de Especialistas.
Fonte: https://www.rentokil.com/br/blog/futuro-do-controle-de-pragas/.