Últimas Notícias

Macromedidores e controle de vazão: sua importância no controle de perdas de água

Foto de capa da notícia

Ao distribuir água para garantir consumo, os sistemas sofrem perda de água na distribuição que, na média nacional, alcançam 39,2%.

“É impossível realizar boa gestão sem boa informação, ou seja, sem dados atualizados, amplos e precisos”, afirma o diretor pedagógico da Allevant Educação, prof. Dr. João Sergio Cordeiro. E essa afirmação não é por acaso, pois ela enfatiza um dos problemas mais dramáticos da área de Sistema de Abastecimento de Água do Brasil: o problema das perdas.

Dados do Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento – SNIS 2019, citado pelo Instituto Trata Brasil, indicam que “ao distribuir água para garantir consumo, os sistemas sofrem perdas que, na média nacional, alcançam 39,2%”. São 7,1 mil piscinas olímpicas de água potável perdida todos os dias.

“E a perda de água acarreta outras perdas: perda de energia elétrica, de produtos químicos adicionados no tratamento e, claro, perda de credibilidade das empresas responsáveis”, afirma Cordeiro.

Quais ações podem ser tomadas para diminuir a perda de água?
Uma das ações possíveis que podem ser adotadas para diminuir esse problema é o da instalação de macromedidores nas áreas dos sistemas em que a vazão é elevada como, por exemplo, nas adutoras e na entrada e saída de reservatórios em espaços setorizados:

“Poucos sistemas fazem controle de entrada e saída de água nas adutoras, seja nas adutoras de água bruta ou nas de água tratada; adutoras que, em sua maioria, têm grandes extensões. Essa medição pode ser feita por meio de macromedidores”, salienta Cordeiro.

Quando existe a setorização, os eles também são de fundamental importância, pois os dados gerados permitem a comparação entre o volume que entra em determinado setor, o que é consumido pelos clientes, que é medido pelos micromedidores (hidrômetros), e o que sai desse setor.


A importância das informações dos macromedidores para o controle da perda de água

“Tendo essas informações em mãos, os gestores conseguem mapear o consumo das várias localidades e inferir, por exemplo, quais os setores em que a perda é maior. A partir daí, podem organizar planos de controle das perdas sabendo onde e o porquê elas estão ocorrendo”, explica Cordeiro.

Ele ainda salienta que esse é um das inúmeras questões relacionadas às perdas: “Já ministrei vários cursos sobre o tema, é um problema complexo que envolve a solução de vários problemas menores, mas para os quais existem soluções, existem técnicas e tecnologias muito úteis e eficientes para auxiliar os gestores. Muitas vezes, no entanto, falta é capacitação dos operadores”, afirma o diretor pedagógico da Allevant Educação.

Autor: Blog Allevanteducacao.
Fonte: Blog Allevanteducacao.