Últimas Notícias

Problemas de drenagem são as principais causas de alagamentos

Foto de capa da notícia

Cidades que possuem o clima com chuvas intensas e constantes na maioria das vezes mantem a população em situações mais vulneráveis à alagamentos e estes temem a perder tudo o que tem.

O problema das enchentes passou a ser algo comum na vida das populações de algumas cidades no Brasil. Infelizmente, todo o ano é a mesma coisa: entre os meses de dezembro e Março, os noticiários são tomados por problemas relacionados com a elevação dos cursos d´água e a inundação de casas e ruas, desencadeando uma série de tragédias que, quase sempre, poderia ser evitada.

Mas por que as enchentes ocorrem? É possível combatê-las?

Na grande maioria das vezes quando chove necessariamente não há alagamentos. Os alagamentos acontecem geralmente porque o volume de água é maior que o poder de escoamento do local. Há isso se somam vários outros fatores que podem potencializar como bueiros entupidos de lixo, área totalmente impermeável, volume de água maior que o normal, dentre muitos outros fatores.

A primeira atitude é não jogar lixo nas ruas e em terrenos baldios, pois os resíduos entopem os bueiros e se acumulam nas galerias subterrâneas para onde escoa a água da chuva, reduzindo sua vazão e causando inundações. Materiais plásticos, como garrafas PET e sacos, são os maiores vilões, pois levam anos para se decompor e criam uma espécie de barreira para o fluxo de água. Da mesma forma, não se deve descartar móveis, pneus velhos, galhos de árvores ou entulhos no leito dos rios. Além de poluir o ambiente, eles reduzem a área do rio que dá vazão à água, com risco de transbordamento. Manter o telhado limpo é outra dica, pois evita entupimentos nas calhas que levam a água para os escoadouros apropriados.

Muitas são as dicas para podermos evitar alagamento

Fique atento às notícias sobre pontos de alagamentos . O rádio no carro ou a televisão, antes de sair de casa, são grandes aliados.

Procure um lugar mais elevado, encoste o carro, desligue-o e não tente ligá-lo novamente até que a água baixe para seguir caminho ao se deparar com uma enchente. Com a rua coberta de água, o motorista fica impedido de ver se há buracos ou barreiras na pista, potencializando o risco de possíveis acidentes.

Observe a altura do nível de água do trecho alagado , a altura máxima segura e a distância não pode exceder o centro da roda;

Se o motor do carro morrer durante a travessia jamais tente dar a partida. Mantenha-o desligado.

Dirija o veículo em baixa velocidade, mantendo uma rotação maior e constante ao motor . Isso diminui a variação do nível da água e seu respingar junto ao motor, o que dificulta sua admissão indevida e a contaminação de componentes eletroeletrônicos. Assim você melhora a aderência e a dirigibilidade do veículo;

Mantenha a calma , caso você perceba um aumento de esforço ao esterçar (direção hidráulica), variação na luminosidade das luzes do painel de instrumentos, alertas sonoros, luz da bateria acesa, aumento do esforço ao acionar os freios, não se desespere. Apenas reforce a cautela e mantenha o menor número possível de equipamentos ligados;

Desligue o ar condicionado . Essa prática impede que alguns componentes joguem água na tomada de ar do motor, reduzindo o risco de calço hidráulico.

Após passar por um alagamento, dirija-se diretamente para uma oficina. Pode haver, entre outros danos, a contaminação do óleo da transmissão, do diferencial, além de riscos acentuados de falhas na embreagem, suspensão e freios.

Verifique também o estado do óleo da transmissão, dos eixos diferenciais e do cânister, dispositivo que reduz a emissão de hidrocarbonetos dos tanques de combustível. Eles podem ter a vida útil reduzida e aumentar o risco de falhas na embreagem, suspensão e freios.

É indicado também ao proprietário que faça uma limpeza do sistema de ventilação do veículo, que pode estar contaminado por fungos e bactérias

Autor: WWEB Tecnologia + Dicas em Ig.com.
Fonte: Ig.com.